Domingo, 05 de Setembro de 2010

Numa colorida orgia de puro divertimento, Amarcord luta para deixar o espectador fora daquele constrangimento causado por uma agoniante azia que chateia. Dançarinos e poetas, pudicos puritanos e cínicos revoltados, encontra-se uma mescla desmesurada de personagens em Amarcord. Feio, gordos, magros, bonitos, todos presentes numa clássica e formidável ideia do pitoresco reconfortante.

 

 

Entrega-se a uma explosão de loucura volúvel, de entretenimento saudável e de um orgânico descaramento que insinua um cinema múltiplo e complexo. Livre de escolher o caminho que segue, Amarcord conduz o espectador numa viagem sensacional por uma população que do meio nada se exalta e respira comédia. O irrisório inesquecível irá tornar cada momento imprevisível pronto a susceptibilizar o riso descomunal, a sensação natural de alegria e contentamento.

 

 

Uma realização assente num absurdo coerente, em espontaneidades acrescidas, em voluptuosos e aprazíveis corpos femininos, em cheirosos momentos dramáticos, em exagerados rejuvenescimentos pictóricos. Uma teia tão difusa e ao mesmo tempo tão compacta, que irá sublimar cada personagem com direito ao seu tempo de antena. Um virtuoso gesto cinematográfico, singelo e brilhantemente bem-disposto. Uma vitória de Fellini nesta atraente e regozijadora sátira.

publicado por Pedro Emanuel Cabeleira às 12:22

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17

19
22
23
24
25

28
29
30


Últ. comentários
Embora o filme não seja nenhuma obra prima, penso ...
Boas mt thanks isto é bastant agradavel... esse po...
DIOGO: Muito obrigado pelo comentário.BRUNO: Sê be...
Obrigado. Diogo, já debatemos muito a genialidade ...
Pedro, excelente texto. Parabéns - por este, e pel...
arquivos
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro