Quinta-feira, 02 de Setembro de 2010

Enclausurado numa sociedade rigidamente normativa. Uma história de amor incompreendido, um recheio de lirismo esbelto e saboroso.

 

 

 Na flor da idade, o amor resiste ao que vem tal como se resiste ao amor. Um homem e uma mulher, um homem e outra mulher, e damos por nós a ver a Idade de Inocência, um saudável tratamento cinematográfico. Scorsese corresponde aos luxos visuais com a sua visão necessária de expor o campo.

 

 

 Uma época, uma sociedade, e onde cada apetrecho visível ilustra como fechada esta comunidade era. A riqueza infinita dos senhores de Nova York, os bailes e as intrigas, os pratos variados como as relações, os adereços, as flores, os belos salões, os grandes teatros onde óperas se faziam ouvir, e depois, gente complexa e gente simples. Maravilha a viagem visual e reconfortante a trama a que ela é inerente. Uma narradora relata este subtil e ao mesmo tempo grandioso conto. Segue-se um período belo e invejável, onde o excesso de escrúpulos se traduz na falta de outros, uma sociedade que penalizava pela intriga, pelo prosaico fala-barato, pelo clima irrespirável. Um retrato fidedigno de um tempo que não o nosso, passado, caso não seja fidedigno é verosímil, convincente e nesse caso a conjugação da colorida paisagem que o ecrã emana e da colorida forma de a representar surge como um grande trabalho do Sr. Martin Scorsese. Diálogos cuidados que evidenciam uma população sabedora e ao mesmo tempo decadente.

 

 

 Tal beleza que esta obra sustenta que esquecemos a situação de estar entre a espada e a parede dos seus atónitos fantoches.

publicado por Pedro Emanuel Cabeleira às 15:52
|

De Roberto Simões a 20 de Setembro de 2010 às 15:20
Não entendi a sua última frase, com que remata a breve dissertação.

De qualquer modo, magnífica obra de arte. É como um romance realista, perfeitamente reproduzido pelas mãos de Martin Scorsese.

5 estrelas.

Cumps.
Roberto Simões
CINEROAD - A Estrada do Cinema
http://cineroad.blogspot.com

De Pedro Emanuel Cabeleira a 20 de Setembro de 2010 às 16:50
A beleza cinematográfica que o filme ostenta (os padrões coloridos de época, a voz límpida da narradora, os pormenores revelados numa montagem também ela não menos bela...) que olvidamos a situação asfixiante que estes dois personagens vivem, confusos, assombrados por serem manipulados por uma sociedade tão maliciosa, fechada e acutilante no sentido em que aqueles que não cumprem as regras serão alvos de afiados escândalos e de explosivas exclusões.

Cumps
Pedro Emanuel Cabeleira


mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17

19
22
23
24
25

28
29
30


Últ. comentários
Embora o filme não seja nenhuma obra prima, penso ...
Boas mt thanks isto é bastant agradavel... esse po...
DIOGO: Muito obrigado pelo comentário.BRUNO: Sê be...
Obrigado. Diogo, já debatemos muito a genialidade ...
Pedro, excelente texto. Parabéns - por este, e pel...
arquivos
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro