Quarta-feira, 01 de Setembro de 2010

Sou apologista de que para se fazer um filme interessante, não é necessário mais nada além de dois personagens a manterem um diálogo que resulte, que seja íntegro e que as personagens conservem uma postura inflexível, mantendo-se vincados nos seus pontos de vista. Não se trata de falar só por falar, a conversa em Before Sunset trata-se de um reconhecimento, duas personagens que viveram uma antiga paixão, reencontram-se agora em Paris, e durante sensivelmente uma hora, irão reviver os momentos passados, aprofundarão o conhecimento que têm um do outro, e o mero espectador tem a deliciosa missão de os compreender e conhecer também.

Jesse, um escritor em ascendência, insatisfeito com o seu casamento, sobrevive nas reminiscências de uma noite perdida, Celine, bela e moderna, mais acomodada à vida, tenta não dar demasiada importância ao reacender da paixão. O diálogo é inteligente, e é íntimo à sobrevivência da beleza do filme, a maneira educada, subtil e elegante como os personagens mantêm uma conversa, os temas abrangentes de que falam, a sua filosofia, as suas crenças, a sua psicologia e as suas paixões.

Não esquecer que se trata de um filme singelo, e na minha opinião verdadeiramente original, a sua essência reside na conversa pura e sem tabus, na honestidade de cada personagem, na sua eloquência. Um filme que me surpreendeu, visto que a falta de artifícios sensacionalistas não tornou o filme minimamente aborrecido, pelo contrário, é mais apelativo visualizar uma obra "minimalista" que recorre a poucas ou a quase nenhumas distracções que desviem a atenção do espectador do seu conteúdo. Um filme não precisa de acção exacerbada, não precisa do espectáculo, basta uma pessoa ter a capacidade suficiente de criar uma realidade possível, não demasiado rebuscada, num ambiente agradável, e com pessoas que sejam coerentes no seu discurso, que encarnem aquilo que dizem, e assim temos uma obra bem sucedida.

 

publicado por Pedro Emanuel Cabeleira às 15:27
|

De Jorge a 24 de Setembro de 2010 às 20:31
Cada vez gosto mais do teu blogue...excelentes análises. Sinceramente continua a escrever.

Deste Before Sunset digo que é um grande exemplo de um filme original, simples e linear, no sentido positivo. Com pouco se faz muito, e se fez uma belíssima obra, um verdadeiro ensaio sobre as relações humanas, a espontaneidade e a maturidade. O Before Sunrise já tinha sido uma enorme experiência, com os seus diálogos deliciosos. Este é o poder da passagem do tempo, para os actores e para toda a direcção que soube rebuscar e trazer-nos uma fita bastante nostálgica.

Pessoalmente não posso dizer que faz o meu género, contudo gostei e muito, só por isso afirmo que estamos perante um dos melhores filmes da década, de cunho muito particular.

abraço

De Pedro Emanuel Cabeleira a 25 de Setembro de 2010 às 11:51
Muito obrigado Jorge! Enquanto for possível continuarei a escrever. Eu gosto bastante de Before Sunrise porque penso que é um exemplo de que é possível fazer cinema! Penso que serve para demonstrar que apesar de não ter sido feito desta maneira bem poderia, bastava uma pessoa com uma câmara, duas pessoas a conversarem, a terem uma conversa interessante, uma conversa que leva a vários caminhos, e como fundo, uma bela cidade, já está! Claro que um filme é um fenómeno muito complexo, mas seria possível realizá-lo, é possível fazer muito com pouco (apesar de o filme ter muito, não material, mas essência). E isso para mim é um sinal de esperança.


mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17

19
22
23
24
25

28
29
30


Últ. comentários
Embora o filme não seja nenhuma obra prima, penso ...
Boas mt thanks isto é bastant agradavel... esse po...
DIOGO: Muito obrigado pelo comentário.BRUNO: Sê be...
Obrigado. Diogo, já debatemos muito a genialidade ...
Pedro, excelente texto. Parabéns - por este, e pel...
arquivos
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro